sábado, 9 de abril de 2011

Malditos Chineses




Não há dúvida de que o maior acontecimento histórico do século XXI é a subida meteórica da China. Ele era previsto, mas o ritmo da expansão do país asiático tem sido maior que o esperado. Isso porque a China cresce em média 10% ao ano. Já é a segunda maior potência econômica do planeta, e ultrapassar os Estados Unidos é só questão de tempo. 15, 20 anos? Não importa. É certo que acontecerá.

Se você imagina que alguns países estão enciumados com isso, engana-se. O ritmo de crescimento da China ajuda todos os outros países a crescer, porque, além de exportar, a China também importa muita coisa – assim como os outros BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) também contribuem para o aumento do comércio mundial. Mas o destaque da China é tão grande que suscita muitas outras dúvidas. Como será este que já pode ser chamado de século da China? Comeremos espaguete todo dia? Iremos correndo aos cinemas para ver os últimos sucessos de Hongwood, ou melhor, Hong-Kong-wood? Devo me matricular já num curso de Mandarim?

É claro que as mudanças históricas não são tão rápidas, mas mesmo assim sobram dúvidas quanto ao futuro:

- Como será a liderança política da China? Interferirá em outros países, como fazem os Estados Unidos? Ou limitará sua influência política aos países da Ásia?

- De que forma uma crise na China seria sentida no mundo? Basta dizer que a maior parte da dívida americana está na mão dos chineses. Teríamos assim as duas maiores potências mundiais afundando juntas. Ah, não quero nem ver.

- O Partido Comunista Chinês sairá do poder? Duvido. Afinal, foram eles que conseguiram essa prosperidade bem capitalista.

Uma coisa é certa: os produtos chineses continuarão invadindo o mundo, o que inclui a minha e a sua casa. Porque são baratos. E isso acontece porque a mão-de-obra chinesa é baratíssima, mesmo se comparada à do Brasil. Muita gente reclama disso, dizendo que as fábricas vão fechar em toda parte. Aí o fabricante resolve abrir uma importadora. E nós vamos continuar comprando produtos de 1,99.

Tudo bem. Só que nos últimos meses eu comprei um despertador e um relógio de parede. O despertador não durou nem uma semana. O relógio de parede durou 6 meses. Adivinhe de onde eram? Se você disse Brasil, errou. E em seguida um mouse que eu havia comprado recentemente também parou de funcionar. E de onde era? Fui ver, pimba! Adivinhe. Tente adivinhar.

Isso me faz pensar em um rádio-relógio da Sony que eu tenho há 13 anos, perfeito. Não que os produtos japoneses sejam todos bons. Mas sem dúvida eu preferiria, ao invés de ter gastado pouco em 3 produtos, ter comprado um único produto bom, pois ao menos agora teria 1 produto funcionando, o que é melhor que zero. Pensando bem, se a disparada meteórica da China depender de mim, eles estão fritos.

Tive uma ideia melhor ainda: se você tem produtos chineses que não funcionam mais, e que provavelmente tiveram vida curta, por que não fazemos uma exposição com eles? Sim, uma exposição que mostrasse o quanto esses malditos produtos chineses são duráveis. Como eles são inúteis, nem precisaria haver um guarda na exposição. Não deixaria de ser uma homenagem à China. Ah, eu gostaria muito. Acho até que poucas exposições seriam tão instrutivas como essa. Comércio também é cultura.

17 comentários:

  1. Sandra Nascimento de Souza Silva11 de abril de 2011 11:46

    Os chineses são bons tanto pra produzir,quanto para copiar,a China é a fabricante da Samsung,HP,Nike,e outras mais.
    Era um país que uns anos atrás não significava nada e hoje preocupa muito com sua inovação.
    E a estratégia chinesa é "segurar" a classe menos favorecida e ignorar os grandes fabricantes mundiais.
    Já tive muita dor de cabeça,por exemplo derpendo a hora do trabalho por causa de um despertador "made in china".
    Um cortador de unha também já me decepcionou,sem falar dos famosos CD`s.
    Mas enfim,enquanto as pessoas comprarem,terão outras fabricando,e falando da exposição se rolar to dentro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para de ser racista, os produtos chineses duram mais que os japoneses isto tenho certeza e são baratos, pare com este mito racista, Sim duravam pouco a anos atras, mas hoje duram bastante.

      Excluir
  2. Na verdade uma coisa leva a outra. Não vejo muitas pessoas preocupadas com a qualidade do que consomem, pouquíssimos tem consciência de que tudo é ciclo. O famoso "jeitinho brasileiro", que inclusive já serviu de assunto para este blog, tem grande influência nisso. Brasileiro só pensa em levar vantagem, acha que é legal ser malandro e que "é bonito ser feio". O problema não é só o que se compra de fora, principalmente da China. Falando um pouco disso, o que pode se esperar de produtos feitos por pessoas que ganham "0,10 a hora, trabalhando 16h por dia"? Desumano, qualidade é que não haverá. Um governo que cresce a custa da "morte" de seus cidadãos...
    Enfim, se formos olhar pro nosso umbigo, queremos (brasileiros) levar vantagem sim, comprando tudo que é ilegal e contrabandiado..
    Tanto Brasil qto China, e tantos outros estão errados, mas digo, Brasil nesse ponto é campeão.
    Quantas vezes já ouvi isso: "esse celular é do "xing ling", e não que já dura 3 meses?"
    As pessoas sabem o que compram.. Mas são tão "infelizes" que não percebem que o barato sai caro, e que da PRINCIPAL MANEIRA, sustentam a criminalidade.. Já este país, cresce por conta de bandidos que ACHAM que governam pessoas que ACHAM que são espertas...

    Thais Rivas - 1º Sem Letras - Torricelli Manhã

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. comprar da china não é crime, comprar lixo do brasil e não ter garantia sim é crime. Chines faz mil vezes melhor que o Brasil, menos café!!! Kakaka!

      Excluir
  3. é verdade. tudo isso porque as coisas nao duram nada mas as pessoas nao param de comprar a nao ser que elas ja tenham gasto muito dinheiro e realmente mudaram sua concepcao.
    e eles nao valorizam muito as pessoas tambem. tudo deveria mudar.

    aline silva letras 1ºsem/manha

    ResponderExcluir
  4. Realmente a China está tomando conta de tudo,em relação aos produtos chineses ,eu acredito que o problema não seja o produto mas sim o consumidor que os adquire,pois vc tem consciencia de que as vezes o barato sai caro,isso no geral ,não só produtos chinese,mas em todo lugar do mundo.

    ResponderExcluir
  5. Acredito que o grande gerador de consumo dos produtos chineses é a carga tributária dos produtos nacionais que pagamos em tudo o que compramos. Se compro um celular Xing Ling por R$ 200,00 e o nacional custa o triplo do preço, isto não se deve ao fato de a mão de obra chinesa ser mais barata, mas sim que o produto chinês contrabandeado não paga os impostos que os produtos nacionais pagam. A carga tributária dos produtos nacionais é a maior do mundo. Como podemos ter produtos competitivos? Não acredito mais no jeitinho brasileiro e acho esta uma péssima idéia que deveríamos banir do nosso vocabulário. Temos diariamente, nos aeroportos nacionais, exemplos dos jeitinhos franceses, ingleses, americanos, alemães e de todos os países do mundo. São turistas que desembarcam e querem dar o golpe da mala extraviada ou roubada, com o intuito de ganhar uma indenização. Vou continuar comprando produtos chineses, contrabandeados ou não (a gente nunca sabe se o são) até que nossos governos decidam reduzir os impostos que pagamos por querer valorizar a produção nacional.

    ResponderExcluir
  6. O alto custo dos impostos faz com que nós brasileiros acabem recorrendo a pirataria e aos produtos chineses(que são bem mais baratos),mas sem falar que a maioria dos produtos,sejam americanos ou de outros paises,tem suas peças montadas na china,como por exemplo o IPAD da apple.Até mesmo a bateria do meu celular é "MADE IN CHINA"!!.

    ResponderExcluir
  7. O tempo de vida dos produtos chineses que compramos é realmente curto (também comprei um mouse que não durou nem 3 meses, assim como um celular touch que teve suas únicas 2 teclas travadas e sua tela deixou de ser sensível ao toque, um absurdo!), porém não creio muito que isso seja um grave problema, pois o fato de os preços destes produtos serem realmente baixos se comparados a produtos de marcas renomadas, acaba por tornar mais fácil sua substituição (quebrou, joga fora e compra outro, mais novo e mais avançado). E enquanto produtos nacionais continuarem inseridos em valores altos de venda, a saída mais provável continuará sendo a busca pelo chinês.

    Caio Lucas Ferreira - 1° sem. Tur/manhã

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. É complicado saber que o produto nacional tem seu imposto carissímo e por isso não é tão valorizado. Será realmente que precisa custar tão caro? (isto é um absurdo).
    Por mais que o produto dure pouco, para as pessoas acaba sendo melhor comprar algo barato do que algo muito caro. Isso ocorre bastante por conta da escolha pelo preço e não da qualidade, acaba sendo engraçado já que sabemos que não terá aquela durabilidade e mesmo assim compramos sabendo que sairá mais caro.
    A pirataria é crime, embora quem vai querer pagar 15 reais em um DVD original ? É mais facil comprar 3 DVDs por 5 reais e sabemos que será a mesma qualidade. Principalmente quando é um DVD com 3 filmes, você gasta pouco e ganha muito. Vou confessar eu compro DVD pirata, mesmo sabendo que estraga o aparelho DVD, porque para quem não sabe a diferença entre o DVD pirata e original é essa.
    Não saimos comprando porque se achamos espertos, e sim porque se durar pouco e pagar barato ao comprar outro produto pirata, pagamos barato e compramos um ainda mais novo. O problema está com o consumidor que sempre quer ter o mais novo, as coisas mais avançadas. Eu cheguei a comprar um MP3, quando saiu o MP4 pensei bem antes de comprar, logo foi o 5,6,7,8,9 e sei lá mais quantos que isso ? Antigamente se lançava algo demorava um tempo pra sair outra, agora as coisas estão com tecnologia bem avançada é impressionante. Talvez isso justifique a escolha pelo mais barato !

    Bianca Alves Cantuária - TURISMO, manhã 1ºSEM

    ResponderExcluir
  10. Chega a ser engraçado como as pessoas preferem o menor preço à qualidade né?!.. Como o senhor, aposto que todos devem ter em casa um produto " made in China" que não funciona mais. Acontece que primeiro a pessoa vai atras do barato, e depois que o produto quebra ela percebe que não vai adiantar comprar algo sem qualidade e/ou garantia, dai ela vai em uma loja decente e não em uma camêlo de rua e compra exigindo uma nota fiscal e com direito a troca etc.
    Já imaginou todos tendo que aprender a falar MANDARIM???? HAHAHA' Essa eu to pagando pra ver.

    Giovanna Elia Faculdades Torricelli Turismo/Manhã

    ResponderExcluir
  11. Acho anormal o crescimento da China nesse ritmo desenfreado mas sei que é real, quabdo a ultrapassar os Estados Unidos não tenho nada contra apesar de preferir mil vezes Inglês do que mandarim, quanto a qualidade dos produtos tiro base pelos celulares, são muito mais baratos que os das outras marcas mas não duram nem metade do que os outros duram.... Preferir o menor preço eu até concordo, mas você acaba pagando o dobro pois fica sem o produto e perde o dinheiro que foi usado...


    Thais Sandes - 1° Semestre Letras Port./Inglês Manhã

    ResponderExcluir
  12. Amanda Gonçalves da Silva - Turismo 1° Sem./M10 de maio de 2011 16:19

    Hoje em dia tudo passa muito rápido, devemos colocar na balança se vale realmente a pena pagar um preço muito alto, por algo que logo será substituído por outro mais moderno, como no caso dos aparelhos eletrônicos que são utilizados com mais frequência (celulares, MPs, entre outros).
    Os produtos chineses em sua grande maioria não duram muito tempo mesmo, desde uma simples caneta até um “chingphone”, conheço uma pessoa que comprou um desses e ele não resistiu nem três meses, sem contar que não há garantia ou garantia suficiente para a manutenção.
    Depende muito de cada um, mas em minha opinião comprar utensílios chineses não compensa, talvez a expressão “O barato que sai caro” começou quando alguém comprou pela primeira vez um produto da China ou do Paraguai.(RS)

    ResponderExcluir
  13. na minha opinião não compensa comprar esses produtos ,pois é coisa mais dificil o produto funcionar perfeitamente ,por isso é melhor gastar um pouco mais e ter garantia de um produto malhor.

    ResponderExcluir
  14. Thais Rivas 1 sem/letras Manhã11 de maio de 2011 08:20

    Eu acho o seguinte: se vc tem os 15 reais pra comprar o dvd original, vc compra... se não tem, acabou, não tem conversa.. 'O combinado não é caro, e ponto'. Se vc compra o ilegal, só dá a margem para o bandidos (políticos, traficantes, etc) saberem que vc aceita tudo, em troca de benefícios (no caso, pagar mais barato)..." eu tenho o produto igualzinho ao dele, mas não tem nota.. pode ser?" ISSO É LEVAR VANTAGEM sim... E portanto, a culpa das coisas serem erradas, é pq tem quem aproveita-se disso.. Se quer impostos mais baratos, comece por pensar nos líderes que elegemos.. Enquanto houver pessoas com esse pensamento, esse lugar não vai pra frente... Sem contar, qtos inocentes não sofrem ou acabam sendo obrigados a participar do tráfico? Se essa 'geração de renda' fosse feita de uma maneira honesta, td seria bem diferente... A começar então, dos valores de quem sustenta isso.. Deve-se levar em conta, a consciência, se EU faço a minha parte para as coisas mudarem...

    ResponderExcluir
  15. China tem tudo que os nazistas tinham, e mais algumas coisas... Tudo de bom que se dizia sobre a Alemanha pré segunda guerra ( e era muita coisa) não foi de ajuda. Saibam que o controle de opinião publica via mídia de massa/ neurolinguística hj, é mais avançado que antes. O termo "comunista" ainda é mais "romântico" que FACISTA. Mas adivinhem, sendo mais capitalista que EUA, e zero democracia (ou qualquer censo de liberdade de pensamento) FACISTA é perfeito como sinônimo de "gov.chinês". Se não gostavam do "imperialismo do tio Sam", preparem-se, o Imperialismo "amalelo" é imensamente pior, e os cérebros da opinião pública mundial já firam lavados, centrífugados e pendurados no varal...
    O modus operandi da mídia chinesa já é identico ao nazista. Eles até já tem seud próprios "judeus". E antes que digam algo, os japoneses sao completamente diferentes daqueles da segunda guerra. Não se pode dizer o mesmo dos chineses, que bao evoluem sua "filosofia de adoração ao governo" a milênios...

    ResponderExcluir