sexta-feira, 1 de abril de 2011

Você Lê Teatro?

A pergunta do título acima pode parecer um pouco estranha. Afinal, teatro não se lê, teatro se vê. Uma ida ao teatro, além disso, é um hábito pouco freqüente. Ler peças de teatro, então, seria uma das últimas atividades culturais imaginadas por você. E, vamos admitir, por 99,99% da população.

A questão é saber por que isso acontece. Uma peça de teatro é geralmente ágil, traz diálogos inteligentes, e é mais curta do que qualquer romance. Ou seja, não se trata de uma leitura difícil. Mas é uma leitura incompleta. O que isso significa? É que feito para ser encenado, o texto teatral não tem longas descrições, nem explica o que está acontecendo. Os personagens têm apenas a sua voz, e tudo deve ser entendido a partir dela. O autor se limita às rubricas, do tipo “Fulano entra em cena”. Sobra para o leitor, assim, o difícil trabalho de imaginar como a cena aconteceria, se os atores estivessem ali. Ou imaginar como seria se fosse um filme.

Mas nada disso é tão difícil. Boas peças podem ser lidas de uma tacada só. A questão é que nunca se criou o hábito de ler teatro. Em qualquer escola, ou universidade, a leitura de peças é rara ou inexistente. E mesmo na Faculdade de Letras da USP (FFLCH), a grande maioria dos professores prefere a análise de poemas, e em segundo lugar de contos e romances. Peças ficam em último lugar. Existem estudiosos como Maria Silvia Betti que dedicam a maior parte do seu tempo à dramaturgia, mas é uma exceção. E com isso o nosso instrumental de análise de peças teatrais é pobre – mesmo entre professores da área de Letras.

No nosso dia-a-dia, contudo, somos consumidores ávidos de dramaturgia – a dramaturgia televisiva, a do cinema e do próprio teatro. Feitas as contas, nenhum outro gênero (poesia ou ficção) alcança um público tão grande. Vivemos assim uma situação paradoxal. O gênero mais consumido é o menos estudado. E por quê? Será que só vale a pena estudar aquilo que é de difícil compreensão? E o que nos é prazeroso -  por exemplo uma comédia – não merece reflexão?

A verdade é que, quando se fala de vida acadêmica, gêneros populares dão pouco ibope. Isso se reflete nos estudos literários e, por conseqüência, em toda a estrutura de ensino. Atualmente os livros didáticos tentam usar os exemplos mais variados, de quadrinhos a notícias de jornal, passando pela MPB, mas ainda assim o teatro fica de fora. Repito: é por falta de hábito, de instrumental de análise. E, com isso, toda a influência que as novelas e filmes têm na disseminação de valores, a força de personagens que mexem com o imaginário da população, tudo isso é menosprezado. E os conceitos lançados por Aristóteles na Antiga Grécia sobre o teatro acabam sendo pouco estudados, e pouco desenvolvidos.

LEIO TEATRO vem corrigir essa falha. Esse livro, presente da minha amiga Lúcia, mostra a importância da publicação – e da leitura – de peças teatrais. Escrito em sua maior parte pelos professores/pesquisadores da Universidade de Brasília, tem no texto de Maria Sílvia Betti um dos seus pontos altos. Mas é preciso lembrar que essa atitude de desdém, digamos assim, em relação ao teatro publicado só vai mudar com uma mudança mais profunda de mentalidade.

Um estímulo para a mudança está no fato de que a leitura de uma peça (em sala de aula, ou qualquer lugar) pode ser muito estimulante para todo um grupo, já que o texto pede uma interpretação. E os que lêem tendem a responder bem à exigência, tornando a leitura em voz alta um acontecimento com alto nível de energia, tanto para ouvintes como para atores, muito mais que a leitura de poemas ou contos. Existem também aqueles que sonham em ser artistas, e que sempre agarram a oportunidade. É, como eu disse, um acontecimento.

Chega de nariz torcido para o gênero teatral – justamente a mais coletiva e dinâmica de todas as artes. O teatro merece estar na sua estante.

P.S. Evidentemente, existem diferenças entre o teatro e o cinema. Mas isso fica para um outro post.

14 comentários:

  1. SILVIO C. DE FRANÇA TORRICELLI1 de abril de 2011 20:21

    Concordo plenamente,a leitura de "antigona"em sala de aula foi uma experiência motivadora e cheia de surpresas,parabéns pela iniciativa inovadora...

    ResponderExcluir
  2. É isso aí, Sílvio-Creonte. Quem sabe será o começo de uma carreira de ator... ou de leitor de peças, tudo bem.

    ResponderExcluir
  3. Conseguir dar um presente do qual você realmente goste me deixa muito feliz!!! Acho que ler teatro hoje é algo mais rico do que nunca, pois as pessoas parecem carecer de imaginação, já que na cultura popular de consumo (de forte apelo comercial) tudo é apresentado como produto pronto e completo. Os espaços deixados no bom texto dramatúrgico por essa "falta de explicações" que você mencionou, representam a possibilidade de criação pessoal, de exercício do imaginário, de liberdade.

    ResponderExcluir
  4. Essa falta de interesse pela leitura teatral tem uma explicação: é mais fácil assistir à peça já pronta e encenada do que lê-la e imaginar o desenrolar da história. Há uma certa preguiça em juntar as palavras e formar uma imagem que condiga com o que está escrito, muitas vezes (em quase todas) é preferível ter algo pronto ao invéz de construí-lo. É um assunto que merece atenção maior, pois pode enriquecer em muitos aspectos nossa visão de artes cênicas.

    Caio Lucas Ferreira - Turismo 1°sem/ manhã

    ResponderExcluir
  5. Admito que não sou muito chegada a ler, embora isto ocorra porque é mais fácil eu assistir um teatro do que ler acaba gerando mais interesse e tenho certeza que não é somente eu que acho isso. O teatro deveria ser mais divulgado principalmene para crianças, inovar elas para algo novo, ensiná-las a brincar com uma atuação e mostrar que a diversão não é simplismente assistir mais participar se envolver.

    Bianca Alves - Turismo, manhã - 1ºsem

    ResponderExcluir
  6. Sandra Nascimento (letras portugues/ingles)5 de abril de 2011 10:41

    Bom eu nunca tinha lido uma peça,o mais proximo que fiz foi aos 12 anos ir em uma peça de teatro com a escola.
    Mas vou confessar uma coisa eu to adorando a leitura de "ANTIGONA" é uma historia que prende,cheia de acontecimentos surreais.
    Muito boa essa sua iniciativa.
    Sandra Nascimento
    Letras ingles/portugues

    ResponderExcluir
  7. Antônio,
    cabe a nós educadores fomentar em nossos alunos o prazer de ler textos de diversos gêneros.
    Parabéns pela iniciativa. O valor dos textos teatrais é incalculável.

    ResponderExcluir
  8. Bom professor,eu nao tinha noção de teatro antes da faculdade,a leitura de ANTÍGONA na sala de aula foi muito interessante e divertida pela dinamica que envolveu os alunos,passei a ter um olhar diferente sobre o assunto ,que esta sendo acrescentada acrescentada na minha bagagem cultural.

    ResponderExcluir
  9. Eu acho que "ler teatro" faz com que nós tenhamos que imaginar a cena com mais detalhes, como a peça "ANTIGONA" que me surpreendeu pela quantidade de detalhes

    ResponderExcluir
  10. Thais Rivas de Pinho - 1sem letras25 de abril de 2011 18:36

    Eu adoro teatro, mas infelizmente a maioria não têm preços acessíveis.
    Porém, com essa onda de "compra em grupo" em sites da net, está bem mais fácil, pois sempre têm programações bem legais com preços ótimos.
    E, ler teatro, foi uma experiência bem bacana.
    Estou querendo até comprar mais um livro.
    Recomenda algum, professor?

    ResponderExcluir
  11. Vou ser bem sincera em dizer que eu não sabia da existência de livros teatrais.Sou uma pessoa que gosta de ler mas realmente não sabia que podia ser LER teatro. Acho que não existiria estímulo maior do que a exigência dessa leitura nas escolas, assim como todos os alunos de ensino médio tem de ler Camões, Manuel Bandeira, Cecília Meireles, Clarice Lispector, Carlos Drummond de Andrade( Meus preferidos), eles tambem deveriam ler Teatro. Acho que só assim essa leitura ficaria famosa e quem sabe um dia poderia se tornar parte da matéria curricular das escolas.

    Giovanna Elia Faculdades Torricelli
    Turismo/Manhã

    ResponderExcluir
  12. Acho interessante as peças teatrais, mas não consigo lê-las acho que foram feitas para serem interpretadas e vistas ao vivo não lidas, concordo que temos que ler para interpretar mas é diferente....

    Acho que não tenho nenhum livro de peças teatrais na minha estante, justamente porque não tenho paciência para eles, acho que tem muitos diálogos, falta algo que me interesse mais, quando há interpretação é totalmente diferente....

    Thais Sandes da Silva 1°Semestre Letras Manhã Port./Inglês

    ResponderExcluir
  13. Amanda Gonçalves da Silva - Turismo 1°Sem./M10 de maio de 2011 15:22

    Por já ter participado de algumas peças, eu já li teatro. Esta é uma atividade muito interessante, pois é impossível interpretar alguma personagem sem dar a ela uma personalidade.
    É algo que estimula a desenvoltura das pessoas e dentro do mundo acadêmico nos serviria como uma forma de nos posicionarmos diante de algumas situações em locais diferentes.
    E é claro que quando começarmos a trabalhar em qualquer profissão ou nas áreas de estudo escolhidas, precisaremos sempre “atuar” da melhor maneira possível para convencer as pessoas de que somos bons no que estamos fazendo.

    ResponderExcluir
  14. Realmente, ler teatro deve ser algo complicado.
    Mas fazemos tantas coisas consideradas difíceis, poderiamos nos interessar em algo deste tipo.
    Nossa vida é um teatro, com inúmeras mudanças de cenas.. personagens então, nem se fala.
    Por isso se procurassemos ler, talvez interpretariamos melhor a vida com um todo !




    Publicitária - 3º semestre noturno !

    ResponderExcluir